12 de fevereiro de 2016

Chef Paul Bocuse, um dos criadores da 'nouvelle cuisine' completa 90 anos

11/02/2016  Um dos mais relevantes cozinheiros da França, Paul Bocuse, comemora 90 anos nesta quinta-feira (11) com uma robusta biografia empreendedora que lhe rendeu o título de melhor chef do século 20.

Há mais de cinco décadas ostentando estrelas do guia "Michelin" –a tradicional publicação que elege os melhores restaurantes e hotéis mundo–, Bocuse é um dos criadores da "nouvelle cuisine", movimento que revolucionou a gastronomia francesa pregando leveza aos pratos.

São inúmeras as suas receitas célebres –a mais famosa delas é a sopa de trufas negras–, mas extraordinária, de fato, é a contribuição de Bocuse à gastronomia, através da defesa da simplicidade e da seleção de produtos de qualidade.

"Tenho três estrelas, tive três 'by-pass' e sempre tive três mulheres", resumia ao jornal "Libération" Bocuse, que em 1946 se casou com Raymonde Duvert, 20 anos depois conheceu Raymone Carlut e aos 70 anos se uniu a Patricia Zizza, que administra sua carreira.

Ele almoça com uma, toma o chá com outra e na hora do jantar está com a terceira, dizem os amigos íntimos de Bocuse, que nasceu em 1926 às margens do Rio Saône, no pequeno município de Collonges-au-Mont-d'Or, no leste da França.

Foi nessa região, próxima a Lyon, onde ele começou a se aproximar da gastronomia, no restaurante da família, que dava continuidade a uma linhagem de cozinheiros que remonta a 1765. É lá também que agora está o principal dos 23 restaurantes que ele tem espalhados por França, Suíça, Estados Unidos e Japão.

Aos 15 anos, Bocuse se tornou aprendiz de Claude Maret. Em 1944, quando chegou à maioridade, se alistou nas Forças Francesas Livres para combater na Alemanha nazista, época em que ganhou a tatuagem que leva no braço esquerdo com a imagem de um galo, feita pelos soldados americanos que lhe atenderam após um ferimento.

Depois da guerra, o jovem Bocuse continuou sua formação e fez amizade com os irmãos-cozinheiros Troisgros e se colocou à disposição de Fernand Point, que ele considera seu "mentor" e para quem dedicou seus excelentes caranguejos de rio gratinados.

Em 1958, abriu seu próprio restaurante, recuperando o L'Auberge du Pont, a loja da família, e que foi rebatizado com seu próprio nome. Em 1965, recebeu a terceira das estrelas, que nunca lhe abandonaram.

Mas o auge de sua carreira veio no início da década de 1970, com a "nouvelle cuisine".

Bocuse consolidou o movimento ao lançar um livro de receitas baseadas nos preceitos dessa inovadora forma de cozinhar, que prioriza ingredientes frescos, molhos leves e dá especial atenção à apresentação.

Esse movimento representou também a consagração dos cozinheiros como estrelas midiáticas, circunstância que Bocuse aproveitou com habilidade: recebeu a comenda da Legião de Honra, em 1975, desembarcou no Japão, em 1979, e criou o Bocuse d'Or (1987), prestigiada competição na qual, a cada dois anos, 24 grandes cozinheiros concorrem.

Em 1990, fundou o Instituto Paul Bocuse, um dos templos de aprendizagem da profissão, com sede em Lyon.

A saúde do chef que inspirou a animação "Ratatouille" (2007) –que sofre de parkinson–, vem fraquejando, mas ele não perdeu o bom humor. Em 2014, por exemplo, se submeteu a uma complicada cirurgia e, ao se recuperar, disse a sua esposa: "Querida, fui bem-sucedido na vida, mas fracassei na morte".

"A vida é uma piada. Portanto, é preciso trabalhar como se fôssemos morrer com cem anos e viver como se fôssemos morrer amanhã", disse certa vez o chef. Fonte: Folha de S.Paulo.

5 de fevereiro de 2016

Maurice White, fundador do Earth, Wind & Fire, morre aos 74 anos

Cantor tinha doença de Parkinson e morreu em casa em Los Angeles.
Grupo teve hits como 'Shining star' e vendeu 90 milhões de discos.


04/02/2016 - Maurice White, fundador do Earth, Wind & Fire, morreu aos 74 anos. O irmão do cantor, Verdine White, disse à agência de notícias AP que ele morreu na quarta-feira (3) em casa, em Los Angeles. Maurice White sofria da doença de Parkinson.

O Earth, Wind & Fire vendeu mais de 90 milhões de discos pelo mundo, ganhou seis prêmios Grammy e entrou para o Hall da Fama do Rock and Roll em 2000.
O grupo de R&B, soul e funk foi fundado em 1969 e teve o maior sucesso nos EUA com "Shining star", em 1975. Eles emplacaram diversas outras músicas nas paradas norte-americanas, como "Sing a song", "September", "After the love has gone" e "Let's groove".

Maurice White revelou que sofria de Parkinson em 2000, na época em que a banda entrou no Hall da Fama do Rock. Mas ele já tinha sintomas do mal desde os anos 80. Ele parou de fazer turnês com o grupo em 1995, mas o Earth, Wind & Fire continuou em atividade.

Ele também foi produtor e trabalhou com cantoras como Barbra Streisand e Cher. Maurice escreveu e produziu o hit "Best of my love", do grupo Emotions. Em 1985 ele lançou um disco solo com um cover de "Stand by me", de Ben E.King. Fonte: Globo G1.

10 de janeiro de 2016

Morre, aos 92 anos, o estilista André Courrèges, que popularizou minissaia

08/01/2016  - O estilista francês André Courrèges, símbolo da revolução indumentária dos anos 1960 que popularizou a minissaia, morreu aos 92 anos em sua residência próximo a Paris, anunciou nesta sexta-feira (8) sua "maison".

Courrèges, que parou de trabalhar na década de 1990, morreu na quinta-feira (7) após uma batalha de 30 anos contra a doença de Parkinson, informou a Courrèges em comunicado.

Entre vestidos curtos com linhas limpas, botas, toques de vinil e a onipresença do branco, sua cor favorita, o estilista captou o espírito da época e marcou seu tempo, soprando um vento de juventude e futurismo à moda.

Uma de suas musas foi a cantora Françoise Hardy, vedete dos anos 1960.


"Ao longo de sua vida, André Courrèges, com [sua mulher], Coqueline, não parou de avançar e de inventar para estar sempre à frente. Um criador visionário que anteviu o que seria o século 21 e que acreditava no progresso. E isso é o que torna Courrèges tão moderno hoje", declararam Jacques Bungert e Frédéric Torloting, copresidentes do grupo Courrèges.

Nascido em Pau (sudoeste da França) em 9 de março de 1923, filho de um mordomo apaixonado por arquitetura e pintura, começou a trabalhar no final da década de 1940 com o estilista Cristobal Balenciaga, com quem permaneceu por 11 anos.

Lá conheceu sua futura mulher, com quem abriu em 1961 a sua própria casa de moda que logo se tornou um sucesso fenomenal.

Seus desfiles eram impregnados de conceitos, com a instalação de uma enorme bolha transparente no Jardin des Plantes, em Paris, em 1980. Em 1985, investiu em um grande hotel de Tóquio para um evento de moda e música, durante o qual as maiores canções da música francesa foram interpretadas por 130 músicos.

Aposentou-se em 1994, passando a se dedicar à pintura e à escultura, e deixando sua mulher à frente da casa, finalmente vendida em 2011 para a dupla Frédéric Torloting e Jacques Bungert. Fonte: Folha de S.Paulo.

3 de janeiro de 2016

Larry Gordon, visionário do surf que criou placas de espuma, morre aos 76

Saturday 2 January 2016 - Trabalhando a partir de uma garagem na Califórnia, Larry Gordon e seu parceiro de negócios Floyd Smith pioneiros de um novo tipo de placa que revolucionou o esporte.
Surfistas atuais devem muito ao legado de Larry Gordon, que morreu aos 76 anos
Foto: KELLY CESTARI / SURF MUNDO DA LIGA / EPA
Larry Gordon, que revolucionou o surf quando criou placas de espuma em sua empresa da Califórnia no final dos anos 50, morreu. Ele foi aos 76.

A esposa de Gordon, Gayle Gordon, disse à Associated Press no sábado que seu marido morreu em paz no dia de Ano Novo em sua casa em San Diego depois de uma longa doença.

Uma figura de renome no surf e skate em cenas da Califórnia, Gordon foi diagnosticado com a doença de Parkinson há 10 anos.

"Muito poucas pessoas começam a ter um negócio e uma vida com sua paixão", disse sua esposa. "Ele que viveu uma vida num esporte que lhe deu grande alegria."

A comunidade de surf americano levou a mídia social a prestar homenagem a Gordon, cujas placas de poliuretano são creditadas por ajudar a popularizar o esporte em um momento em que as placas de madeira então existentes eram pesadas e difíceis de manusear.

Gordon estudou química na San Diego State University e foi então que ele começou a experimentar com materiais de espuma na fábrica de plásticos de seu pai.

No final dos anos 1950, Gordon e o companheiro surfista e amigo Floyd Smith usaram espuma de poliuretano para construir suas próprias placas de ponta. A demanda por suas pranchas de espuma obrigaram a dupla a se mover da garagem de Smith e começar a sua primeira loja de surf legítimo, Gordon & Smith Pranchas & Skateboards.

"Foi difícil passar por pranchas de surf, e as que existiam lá fora eram em sua maioria feitas de madeira balsa e eram pesadas ​​e difíceis de manobrar," Gordon disse ao San Diego Union-Tribune em 2007. "Por isso, fizemos um molde e sopramos espuma para construir os nossos próprios modelos. "

Na década de 1960, Gordon & Smith Surfboards tornaram-se os fabricantes líderes na indústria do surf, mais tarde, ramificando-se em skates e surf wear.

Smith vendeu sua parte da empresa em 1971, após uma expansão da linha para a Austrália. Gordon & Smith agora é administrada pela filha mais velha de Gordon, Gordon Debbie.

"Nós ainda moldaremos pranchas cerca de uma milha de onde sua primeira fábrica era", disse sua filha. "A razão pela qual ele fez pranchas e a razão pela qual continuamos a fazê-las é pelo amor ao surf e dar às pessoas o melhor passeio de sua vida." Original em inglês, tradução Google, revisão Hugo. Fonte: The Guardian.

20 de dezembro de 2015

Parkinson mata (*) maestro nos Estados Unidos

19/12/2015 - Nova Iorque - O maestro Kurt Masur, que ajudou a construir a reputação mundial da Orquestra Filarmônica de Nova Iorque, morreu hoje, aos 88 anos de idade.

“É com profunda tristeza que escrevo em nome da família Masur e da Filarmónica de Nova Iorque para informar que Kurt Masur, nosso diretor musical de 1991 a 2002, faleceu", anunciou o presidente da Filarmônica, Matthew VanBesien.

O músico sofria da doença de parkinson desde 2012.

Nascido na região alemã da Silésia, na atual Polônia, em 1927, o maestro dirigiu algumas das maiores orquestras do mundo - a Filarmônica de Nova Iorque (1991-2002), a Orquestra Nacional da França e a Filarmônica de Londres. Fonte: Agência Brasil EBC.

P.S.: Em abril de 2012, como diretor musical honorário da ONF, Masur caiu acidentalmente do palco em que comandava a orquestra do Teatro de Champs-Élysées e fraturou a omoplata. Masur era um apaixonado pelas composições de Bach, Mendelssohn, Brahms e Beethoven. Correio do Povo-RS.

(*)Oficialmente, ou seja, diretamente, ninguém morre de Parkinson, morre-se com Parkinson, No entanto se morre de complicações advindas deste, como embolia pulmonar ou pneumonia por aspiração, e de doenças oportunistas que se instalam em decorrência de nossas fragilidades corporais, ou seja, fraquezas, além do que eu denomino, "corrosão da alma", O Parkinson vai minando gradativamente nossa força, nossa vontade, nossa gana de viver, liquidando com nosso amor próprio, que pode nos levar a um ponto que dá vontade de desistir de tudo. Essa é a nossa grande luta!